Alimentação: Agrotóxicos podem aumentar o risco de câncer?
Matéria publicada em 09/06/2015, às 16:50:51

Ver mais de Edição Março/Abril 2015 N° 132 - O resultado é muito melhor quando fazemos por vocação

Ver outras Edições

A falsa sensação de proteção não elimina os danos à saúde

Pesquisas revelam que sim. Agrotóxicos, ou defensivos agrícolas, são produtos químicos empregados para controlar insetos, doenças, ou ervas daninhas que causem dano às plantações. Tais produtos são cercados de polêmica, pois seu uso pode ter impacto negativo sobre a saúde humana. Estudos apontam que os agrotóxicos podem desencadear diversos efeitos colaterais, que podem ser imediatos, como alergias, vômitos ou mal-estar, ou tardios, como paralisias e doenças crônicas.

Dentre os possíveis problemas associados aos defensivos agrícolas está o maior risco de desenvolvimento de câncer. “Há diversos estudos toxicológicos detalhando os mecanismos pelos quais as moléculas de agrotóxicos podem provocar a neoplasia”, conta a nutricionista Fernanda Pires, Supervisora do Serviço de Nutrição e Dietética do A.C.Camargo Cancer Center. “Os agrotóxicos podem atuar como iniciadores, promotores e aceleradores de mutações que originam um tumor. A maioria das moléculas que compõem os defensivos agrícolas atua dessas três formas”, explica. Além disso, alguns agrotóxicos contêm os disruptores endócrinos, substâncias químicas capazes de interferir no sistema endócrino do organismo e de provocar efeitos deletérios à saúde mesmo em quantidades muito pequenas. O acúmulo de defensivos no organismo pode elevar o risco de surgimento de diversas neoplasias, como câncer de mama, testículos e fígado. Crianças, que têm o sistema imunológico ainda em desenvolvimento, podem ser expostas aos agrotóxicos já na gestação e correm maior risco de desenvolver leucemia e linfoma.
Para evitar esse tipo de complicação, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) delimita a quantidade máxima de agrotóxicos que o corpo humano pode consumir diariamente, como se isso fosse algo normal mesmo em se tratando de veneno. De acordo com a agência, a ingestão de resíduos dentro do Índice Diário Aceitável (?) não causa danos à saúde. Para a aprovação de novos agroquímicos, são obrigatórios estudos que comprovem o respeito a esse índice, calculado através dos Miligramas (mg) pelo peso (kg) do consumidor.

Como evitar?
Para minimizar o risco de efeitos colaterais, o ideal é consumir a menor quantidade possível de agrotóxicos. Deve-se dar preferência aos alimentos orgânicos, livres desse tipo de substância. Porém, como os orgânicos nem sempre têm um custo acessível, outra opção é consumir alimentos da época, que a princípio recebem menor quantidade de defensivos para serem produzidos. Além dessas medidas, Fernanda comenta que é preciso lavar sempre os alimentos antes do preparo ou do consumo, para reduzir os resíduos presentes na superfície. Ela pontua que, até o momento não existem evidências científicas que comprovem a eficácia da água sanitária ou do cloro na remoção ou eliminação de resíduos de produtos químicos. “As populares soluções de água sanitária devem ser usadas para a higienização dos alimentos na proporção de uma colher de sopa para um litro de água, com o objetivo apenas de matar agentes microbiológicos que possam estar presentes nos alimentos, mas não de remover os agrotóxicos”, finaliza.


Confirmação
A Agência Internacional para a Pesquisa do Câncer (AIPC), órgão ligado à Organização Mundial da Saúde publicou um relatório em que confirma que o agrotóxico Round Up (também conhecido como glifosato), produto fabricado pela multinacional Monsanto, é um agente potencialmente causador de câncer, mais precisamente o linfoma Non-Hodgkin. Além disso, o relatório aponta o glifosato como potencial causador de alterações na estrutura do DNA e das estruturas cromossômicas. Países como a Holanda, Sri Lanka e El Salvador, preocupados com o aumento de doenças relacionadas ao uso do glifosato, começaram a promover sanções contra o pesticida.

Ver mais de Edição Março/Abril 2015 N° 132 - O resultado é muito melhor quando fazemos por vocação

Ver outras Edições

Copyright © 2015 - Todos os direitos reservados.

A Revista Planeta Água é uma publicação mensal da Versátil Consultoria em Direito e Comunicação Social

Rua Benjamin Constant, 2018 - Centro / Anápolis-GO

Telefones: (62) 3311-3489 / 3706-8000