Teria chegado a hora dos pilotos-robôs?: No caso do Airbus A320 derrubado nos alpes franceses seria possível que alguém em terra tivesse tomado o controle da aeronave e religado o piloto automático, afirma estudo da Universidade de Duke
Matéria publicada em 09/06/2015, às 16:19:05

Ver mais de Edição Março/Abril 2015 N° 132 - O resultado é muito melhor quando fazemos por vocação

Ver outras Edições


Chocou o mundo o acidente de avião ocorrido recentemente na França, causando a morte de 150 pessoas, porque o co-piloto desligou o piloto automático e derrubou o avião intencionalmente. Por que ainda deixamos que pessoas pilotem aviões de passageiros? A resposta mais simples é que, na verdade, não deixamos.

Não é segredo nenhum que os aviões atualmente já são extremamente automatizados, e com a tecnologia disponibilizada hoje (mas não instalada no Airbus A320 operado pela Germanwings que caiu), seria possível que alguém em uma estação em algum lugar tivesse tomado o controle da aeronave e religado o piloto automático (ou até mesmo pilotado o avião do chão).


Drones gigantes
Do jeito que as coisas estão, os pilotos usam os controles do avião por períodos curtíssimos de tempo em qualquer voo. De acordo com um estudo recente realizado pela pesquisadora da Universidade Duke, Missy Cummings, em que foram entrevistados 11 pilotos comerciais responsáveis por aviões Boeing e Airbus, eles mal encostam nos manetes. “Pilotos do Boeing 777 concordaram que passam cerca de 7 minutos em um voo comum de fato ‘pilotando’ a aeronave, ou seja, com as mãos nos controles”, escreveu no estudo Missy Cummings, ex-piloto militar e pesquisadora de sistemas não-tripulados do Laboratório de Seres Humanos e Autonomia da Universidade Duke e do Laboratório de Seres Humanos e Automação do MIT. “Os pilotos do Airbus declaram ter ‘pilotado’ suas aeronaves em metade deste tempo.” A reação inicial negativa logo foi seguida por uma série de questões de negociação, do tipo ‘Posso assistir filmes?’ ou ‘Posso ler um livro?’
Cummings há muito fala sobre um futuro em que pilotos, no sentido tradicional do termo, não fariam nada – ela já viu pilotos de jatos perderem seus empregos para drones no exército, e espera que o mesmo aconteça, eventualmente, em aviões comerciais. Para ela, a maior parte destes aviões já são como drones, de certa forma.

“Aqueles três minutos em que os pilotos de Airbus controlam o avião não é porque é eles precisam fazê-lo, são apenas procedimentos. Isso ocorre somente durante a decolagem”, disse. A noção de que pilotos não fazem lá muita coisa, claro, não é muito popular dentro da indústria da aviação. É fato que o piloto automático não pode ser responsável por todas as possibilidades com as quais um avião pode se deparar, e puristas apontam para Sully Sullenberger, o piloto que conseguiu pousar em segurança um avião da US Airways no Rio Hudson após ter sido atacado por um bando de gansos. O heroísmo de Sullenberger, e outras ocasiões em que um piloto ou copiloto tiveram mesmo que tomar controle da situação para evitar um desastre, são usados como evidência de que estes pilotos ainda continuam necessários e úteis.


Fly-by-wire
Mas, novamente, há casos, como os ataques de 11 de setembro, o voo 990 da EgyptAir de 1990, e o desastre nos alpes franceses, em que o piloto, ou um sequestrador, ou alguém pilotando o avião, torna-se a coisa mais perigosa para a segurança específica daquele avião. “Os comandos poderiam vir de uma estação de controle em terra”. Mas a proposta não precisa ser preto-no-branco assim. Um avião controlado de forma inteiramente automática sofreria acidentes de tempos em tempos, mas deixar o controle completo à disposição daqueles a bordo, durante 100% do tempo, não deu certo também.
Então Cummings e outros têm pensado em um sistema em que um dos pilotos fica na cabine, e o outro é um robô – ou pelo menos um grupo de pessoas – em terra. De cara, economizaria muito dinheiro para as companhias aéreas com salários de pilotos, o que o torna atraente para estas empresas (agora se queremos automatizar tudo e nos livrarmos dos pilotos, é outra história). Além disso, poderia prevenir catástrofes como a citada anteriormente.
“Aquele Airbus poderia, com algumas simples mudanças, ser controlado remotamente”, disse Cummings. “Eles são operados com um sistema conhecido como fly-by-wire digital, onde os pilotos, por meio de zeros e uns, dizem ao avião o que fazer. Estes comandos não precisam estar lá, eles poderiam vir de uma estação de controle em terra.”

“Acho que veremos aviões de carga completamente automatizados em uso por empresas como a UPS e DHL. Acho que a figura presente no avião de passageiros terá cada vez mais o papel de supervisora, com o resto sendo feita pela equipe em terra”, disse Cummings que recentemente conversou com 11 pilotos de aviões comerciais sobre a ideia de trocar seus copilotos por um robô no solo. Suas primeira preocupação não foi quanto à segurança, pelo contrário, eles se viram pensando no que fariam na cabine sem ter alguém para conversar.

Ver mais de Edição Março/Abril 2015 N° 132 - O resultado é muito melhor quando fazemos por vocação

Ver outras Edições

Copyright © 2015 - Todos os direitos reservados.

A Revista Planeta Água é uma publicação mensal da Versátil Consultoria em Direito e Comunicação Social

Rua Benjamin Constant, 2018 - Centro / Anápolis-GO

Telefones: (62) 3311-3489 / 3706-8000