Arquitetura sustentável: Responsabilidade ambiental ou interesse mercadolágico - Parte I
Matéria publicada em 18/05/2015, às 14:41:15

Ver mais de Edição Janeiro/Fevereiro 2015 Nº 130 - Brasil, o país dos raios em 2015

Ver outras Edições

Edificações sustentáveis ganham cada vez mais espaço em nosso País - talvez menos em Goiás ou mesmo em Anápolis - e podem criar inúmeras oportunidades, mesmo com a escassez de mão de obra especializada e de leis mais transparentes. Apesar disso, nota-se uma evolução significativa no setor que deve ganhar cada vez mais espaço e gerar muitas oportunidades.
Essa arquitetura produzida deve priorizar o respeito ao lugar de intervenção: sua topografia, a cultura local, sua paisagem, as condições climáticas de cada lugar e as reais necessidades de seus usuários. Para que se obtenha o desempenho energético satisfatório nos ambientes construídos e para um melhor desempenho energético e econômico da edificação, faz-se necessária a integração de estratégias adequadas aos condicionantes expostos, conforme palavras do arquiteto Edson Mahfuz.

Assim, a arquitetura sustentável exige do profissional arquiteto um maior conhecimento das relações bioclimáticas e de eficiência energética para sua plena realização em um edifício, apresentando-se, hoje, em um nível de exigências sem precedentes, onde as demandas por edifícios mais confortáveis, seguros e, ao mesmo tempo, com consumo reduzido de energia e de água, associados a um menor impacto sobre o ambiente construído existente, são cada vez maiores.

Para o arquiteto Siegbert Zanettini “a arquitetura contemporânea apoia-se em fundamentos que incluem questões sobre ecoeficiência, sustentabilidade, utilização das condições climáticas naturais e incorporação de novas formas de energia”. Dentre outros aspectos relevantes e fundamentais diante das condições atuais de cidades em desenvolvimento como Anápolis e Goiânia, ou mesmo em qualquer outra do planeta, há que se pensar também na diminuição da exploração dos recursos naturais, da poluição e resíduos sólidos, como na utilização da eficiência energética e da qualidade ambiental. Segundo o arquiteto Fabiano Sobreira, a arquitetura sustentável e a arquitetura verde têm o mesmo significado de uma arquitetura ecológica e o resultado final é um edifício ecoeficiente e com o mínimo impacto ambiental.

De fato, o discurso em torno de práticas ambientais, verdes, ecológicas ou sustentáveis definitivamente já entrou no universo da arquitetura.Pode-se atribuir essa “onda verde” a uma preocupação coletiva crescente com o meio ambiente, motivada e estimulada por uma crise ambiental e energética que parece nova, mas que é cíclica, e também por preocupações mais objetivas, como a economia de recursos. Por outro lado, existe o interesse político e mercadológico nos ecoprodutos e a arquitetura tem sido inserida como mais uma linha de produtos na prateleira. No meio desse turbilhão de imagens, conceitos, produtos e propagandas, surge uma inquietação: como os projetos de arquitetura têm sido prescritos, apresentados e avaliados, no contexto dessa “onda verde”? Trata-se de uma questão complexa, que pode nos conduzir por caminhos disciplinares e interpretativos os mais diversos.


 


BIBLIOGRAFIA
AMORIM, C. N. D. Sustentabilidade, qualidade ambiental e iluminação natural no espaço construído: conceitos básicos. Revista Paranoá. Brasília: PPG/FAU, Universidade de Brasília, 2007.ZANETTINI, Siegbert. A Obra em aço de Zanettini. São Paulo: J. J. Carol. São Paulo, 2007.

Ver mais de Edição Janeiro/Fevereiro 2015 Nº 130 - Brasil, o país dos raios em 2015

Ver outras Edições

Copyright © 2015 - Todos os direitos reservados.

A Revista Planeta Água é uma publicação mensal da Versátil Consultoria em Direito e Comunicação Social

Rua Benjamin Constant, 2018 - Centro / Anápolis-GO

Telefones: (62) 3311-3489 / 3706-8000