A arte de Dulce: A artesã Dulce Geraldi, depois de buscar inspiração no Brasil e na Europa, aportou em Pirenópolis onde produz lindíssimas aromáticas e práticas caixinhas de casca de laranja
Matéria publicada em 04/05/2015, às 11:24:51

Ver mais de Edição Fevereiro/Março 2015 N° 131 - Indústria + meio ambiente = sustentabilidade

Ver outras Edições

Artista e tendo uma natureza muito inquieta, desde cedo demonstrava talento para as artes. Fui buscando meu caminho, fiz teatro por oito anos e, paralelamente, me enveredei pelo processo alquímico  da ourivesaria, ofício que aprendi com um ourives em Brasília. Trabalhei por 10 anos no Brasil e na Espanha, onde morei por quatro anos. Atualmente em Pirenópolis (GO), tenho um atelier onde trabalho com modelagem e fabricação de bolsas e carteiras em lona, tear e outros materiais.

Ainda inquieta, busquei desenvolver uma linha de reciclagem que agregrasse valor. Comecei desenvolvendo um artesanato com caixinhas de fósforo e tampinhas de garrafa, transformando este material em mini-oratórios.Buscando um pouco mais, encontrei as caixinhas de casca de laranja, algo que iria para o lixo sendo tranformado em um objeto tão delicado, com odor muito agradável e com prazo de validade indeterminado, o que me motivou a investir no produto. Foi quando comecei a agregar valores, com as sementes, que vão desde trepadeirras para quem mora em apartamento, a cruzes de pequeno, médio e grande porte para quem possui maior espaço ou disposição para reflorestar o planeta. E é exatamnete este o conceito, a conscientização ambiental. Além disso, faço todo o trabalho de colheita das sementes na época certa, a colheita das flores para a decoração das caixinhas e faço também a embalagem para o produto. Com revistas velhas fabrico as sacolas para acomodar cada peça.

Ainda não consegui produzi-las em grande escala por duas razões: primeiro, por se tratar de um produto sazonal, as laranjas ficam com a textura perfeita para o feitio das caixinhas na época da seca e como o processo de secagem se dá na sombra, pode levar até duas semanas para ficarem prontas. Segundo, pela falta de mão de obra para produzir em maior quantidade. Existe uma associação de mulheres no setor onde moro, as Arteiras do Bonfim, onde apresentei o projeto, mas até agora não tive resposta. Tenho buscado alternativas para solucionar essas questões e acredito que em breve isto vai acontecer. Por hora os produtos podem ser encontrados aos sábados na Feira Artesanal de Pirenópolis e durante a semana no atelier, na Rua12, Q-09 L-08, Jardim Santa Bárbara, Alto do Bonfim. (Contato: dulcedulce@hotmail.com)

Ver mais de Edição Fevereiro/Março 2015 N° 131 - Indústria + meio ambiente = sustentabilidade

Ver outras Edições

Copyright © 2015 - Todos os direitos reservados.

A Revista Planeta Água é uma publicação mensal da Versátil Consultoria em Direito e Comunicação Social

Rua Benjamin Constant, 2018 - Centro / Anápolis-GO

Telefones: (62) 3311-3489 / 3706-8000