Conheça algumas maneiras de conversar com seu filho sobre peso: Para especialistas, pais não devem fazer piada sobre peso de seus filhos
Matéria publicada em 10/07/2013, às 16:00:38

Ver mais de Edição Junho de 2013 N° 111 - Brasileiros vão às ruas e obrigam governo a acelerar mudanças

Ver outras Edições

O ministro da Educação do Reino Unido, Michael Gove, tirou sua filha de nove anos das aulas de balé depois que ela começou a demonstrar uma preocupação exagerada com seu peso. A revelação partiu da mãe da menina, que é colunista do jornal britânico The Times. Segundo Sarah Vine, sua filha recusava-se a comer no dia em que tinha de dançar e insistia em usar um maiô menor do que seu tamanho normal.      
Embora o caso tenha ocorrido no Reino Unido, o tema é universal. Em vários países, como o Brasil, há uma constante preocupação com a aparência, e a obesidade, além de ser um crescente problema de saúde, é um fator de estigmatização no seio da própria sociedade.
Muitos pais questionam-se sobre como devem conversar com seus filhos sobre o peso. Alguns deles temem exagerar na abordagem do assunto, sob risco de as crianças se tornarem obsessivas com sua aparência, ou mesmo provocar nelas distúrbios alimentares, como, por exemplo, a anorexia.
Não há uma maneira única de tratar o problema, dizem especialistas, que, no entanto, elaboraram dez recomendações:
Primeiro, é preciso falar sobre o assunto. Alguns pais acreditam que quanto menos falarem sobre determinados assuntos com seus filhos, melhor.
Mas para Andrew Hill, professor de psicologia médica do Centro de Ciências da Saúde da Universidade de Leeds, é melhor que não haja barreiras na comunicação com os filhos.

"Não é fácil", diz ele. "Mas se algumas questões forem levantadas, não dissimule. Vá direto ao ponto. A chave da questão é por quê?. Eu quero saber por que esse comportamento está acontecendo. Se é algo que a criança viu na TV ou alguém lhe disse na escola, talvez seja algo doloroso. As preocupações demonstradas pelos pequenos costumam ser sintomas de outros eventos – portanto, resolva-as e outros comportamentos tendem a se estabilizar. O peso de uma criança é motivo de preocupação mas isso é volátil e pode ser temporário”.
As meninas em uma idade em particular – quando chegam à puberdade, por exemplo – tendem a se comparar mais com as colegas, acrescenta Hill. Na média, durante a transição para a idade adulta, o seu índice de gordura corporal chega a dobrar.
Segundo o psicólogo, os meninos também passam por mudanças no corpo, mas de outra forma: eles tendem a ganhar mais músculos.
"Quando as meninas se comparam, elas estão normalmente em diferentes pontos de seu desenvolvimento físico. Conversar com elas é uma forma positiva e garantida de lidar com o problema. O 'X' da questão é mostrar às meninas que elas não precisam ser tão autoexigentes consigo mesmas."

Não entre em pânico
Um pai nunca deve entrar em pânico se seu filho lhe perguntar se está gordo, diz Paul Gately, professor de exercício e obesidade na Leeds Metropolitan University, na Inglaterra. "Conheço pais que ficam muito medrosos. A cada pergunta para a qual não estão preparados, eles tremem. Mas essa reação pode levar os filhos a pensar: o que eu desencadeei?", acrescenta Gately.
Muitos pais, afirma o especialista, "tentarão tapar o sol com a peneira ou dizer a seu filho que não se trata de um problema. Mas se há realmente um problema, a criança corre risco de ser vítima de xingamentos na escola e isso pode acabar fazendo com que ela perca a confiança em seus pais".
"A troça e o bullying de crianças com sobrepeso na escola é endêmica", analisa Gately. "Se uma criança mencionar o assunto, não evite abordá-lo. Pais precisam ouvir mais seus filhos. A criança precisa expôr seu ponto de vista da maneira como se sente mais à vontade."

Traga o assunto à tona
Os pais devem trazer o assunto do "peso" à tona antes de seus filhos? "Faça a sua própria avaliação – se seus filhos não querem falar sobre isso, não corra o risco de criar uma briga em família. Mas se continuar preocupado com a situação, busque auxílio da professor ou mesmo do médico da família", afirma Hill.
Mary George, de uma entidade que trata crianças com distúrbios alimentares, acredita que se um pai está preocupado com a alimentação de seu filho, deve pedir ajuda a um médico da família ou um enfermeiro.
"Há sempre maneiras de dizer a mesma coisa de outra forma – fale, por
exemplo, que a família toda vai fazer um check-up geral".

Trate o assunto com leveza
Pais devem abordar distúrbios alimentares de seus filhos com leveza, alertam especialistas. Um pai que sinta que precise conversar sobre o peso de seu filho com ele, deve agir com delicadeza ao abordar a questão. Para especialistas, uma das maneiras é perguntar à criança se ela se sentiria mais confortável caso tivesse outro peso, diz a psicóloga e escritora Amanda Hills.
"Se a resposta for afirmativa, então ofereça ajuda a elas fazendo uma comida mais saudável – e exigindo delas força de vontade para cumprir a meta". A chave é guiá-las e nunca controlar os hábitos alimentares dela como um general, diz a psicóloga.
"Muitos distúrbios alimentares acontecem quando as crianças não têm controle sobre si mesmas", diz Hills. "No entanto, trate o assunto com
leveza. Não diga, por exemplo, que uma comida é boa ou ruim. Caso ache
que um determinado alimento não é o melhor para o seu filho, aborde a questão de forma casual. Não fique obcecado por isso". Mostre a seu filho o quanto ele é especial.
"Mais e mais crianças e adolescentes estão preocupados com a sua imagem", diz Mary George. "Com isso, perde-se um pouco da infância". Se seu filho trouxer o assunto à tona, não evite abordar o tema, mas tente lhe mostrar o quanto ele é especial, afirma Mary George. "Encoraje-os em outras áreas – diga o quanto eles são generosos, caridosos, felizes, o que, certamente, vai tirar a atenção do peso".

Nunca faça piadas
Muitos pais não percebem que ao fazerem uma piada sobre o peso de seu filho, podem afetá-lo por toda a vida, diz Hills. "Um pai, por exemplo, nunca deve chamar a sua filha de 'gordinha'. O mesmo se aplica a um marido que faça piadas sobre o peso de sua esposa, ou vice-versa", revela Mary George.
Pais também devem ser cuidadosos em não "contaminarem" seus rebentos, ao fazerem brincadeiras, por exemplo, sobre o peso de outras pessoas. "A criança interpretará tal atitude como correta". Seja moderado em relação à própria aparência. A psicóloga alerta para o fato de que, nesse caso, os pais nunca devem montar um prato com alimentos diferentes dos que oferecem a seus filhos, pois, assim, podem confundi-los. Ela faz, no entanto, uma ressalva. "Se um dos pais – ou os dois – está frequentando o 'Vigilantes do Peso', por exemplo, não há por que esconder isso dos seus filhos, pois normalmente significa que eles estão precisando perder peso e devem mostrar a seus rebentos como lidar com tal problema".
As crianças consomem de 60% a 70% de sua ingestão calórica diária em casa. Portanto, segundo Hill, os pais devem montar uma agenda nutricional. "Crianças mais velhas têm mais liberdade e também maior poder financeiro – a chave para isso é aconselhá-las sobre como definir prioridades porque mais tarde elas serão responsáveis por suas próprias escolhas”, diz Mary George.

Como ajudar a contornar o problema
• Autorize a ingestão de todos os alimentos
• Estabeleça horários para refeições e lanches
• Ensine a comer devagar
• Não a deixe fazer as refeições vendo televisão
• Diminua pouco a pouco a quantidade de alimentos
• Nas refeições, ofereça um copo de suco, no máximo,
   ou água à vontade
• Sanduíches são permitidos, desde que elaborados
   com alimentos pobres em gorduras
• Diminua a quantidade de alimentos gordurosos e de frituras
• Individualize as porções dos alimentos consumidos pelas crianças
• Cuide do corpo e da mente da criança

Ver mais de Edição Junho de 2013 N° 111 - Brasileiros vão às ruas e obrigam governo a acelerar mudanças

Ver outras Edições

Copyright © 2015 - Todos os direitos reservados.

A Revista Planeta Água é uma publicação mensal da Versátil Consultoria em Direito e Comunicação Social

Rua Benjamin Constant, 2018 - Centro / Anápolis-GO

Telefones: (62) 3311-3489 / 3706-8000