Vamos fechar 2012 com chave de ouro: Antônio Roberto Gomide
Matéria publicada em 27/01/2012, às 09:15:32

Ver mais de Edição Dezembro de 2011 Nº: 94 - O segredo da expansão nacional da Babioli

Ver outras Edições

Antônio Roberto Gomide

Antônio, nesses três anos que balanço você faz de seu trabalho à frente da prefeitura do maior município goiano?
Na verdade, nesses três anos não fizemos tudo o que gostaríamos de ter feito, mas, com certeza, já fizemos muito para estabelecer uma grande diferença na vida dos cidadãos. Acho que os anapolinos perceberam que a cidade não é apenas o discurso, que é uma cidade boa pra se viver e não uma cidade rica para meia dúzia de pessoas. Conseguimos mostrar que o poder público tem condições, com base no planejamento estratégico, de levar qualidade de vida para todos, quando mantém a cidade mais limpa, quando conseguimos atingir índices de emprego acima da média nacional como está acontecendo em Anápolis que no mês de novembro ficou acima do nível de empregabilidade nacional e do Estado de Goiás. Somos a primeira cidade em relação a novos pontos de trabalho no estado de Goiás, a primeira do ranking em relação a emprego. Então, temos hoje qualidade de vida, avançamos na geração de empregos e consolidamos a marca do segundo maior PIB de Goiás. Anápolis contribui com mais de 10% da riqueza do estado de Goiás e é o maior importador do estado, mais do que a capital. Por aqui passam 35% de todos os produtos importados para Goiás, pelo Porto Seco, compreendendo grãos, veículos, minério, produtos químicos e outros. É neste cenário que estamos preparando o município para ser o principal polo logístico do Centro-Oeste. Quero dizer a você que nesses três anos o nosso desafio foi o de dar condições para que Anápolis ampliasse seu potencial econômico, alcançasse a posição de polo logístico de referência nacional e, principalmente, garantisse condições para que o poder público colaborasse com o estabelecimento da paz nos campos administrativo, político e social visando um desenvolvimento que seja econômico e também social.

Quais são as perspectivas para 2012, um ano de eleições?
Muito boas. Boas porque no inicio da nossa gestão planejamos os quatro anos de administração para que a gente pudesse consolidar ano a ano, num crescente, aquilo que gostaríamos de ver concretizado. Em 2012 esse planejamento se consolida, sintetizando nosso projeto. Temos uma série de obras desencadeadas em vários setores, por exemplo, na saúde. Ainda neste primeiro semestre entregaremos um novo Hospital Municipal na Vila Esperança, com mais de 30 leitos; o Centro de Referência da Mulher, uma unidade que atenderá todos os programas, desde o pré-natal aos exames necessários à garantia de saúde para a mulher com todos os programas das esferas federal, estadual e municipal; estamos ampliando a estratégia da família; fizemos concurso público para o setor, então, estamos consolidando todo um trabalho de abrangência na saúde. O Mini Cais Badia Lopes passa por reforma e será um Cais 24 horas. É na saúde que estamos investindo o maior orçamento de 2012, acima de R$ 160 milhões, exatamente porque é de uma boa assistência de saúde que a população mais precisa. Na educação temos pontos extremamente importantes e estamos entregando mais cinco creches até o mês de maio , dando ordem de serviço pra mais sete ainda no primeiro semestre, ou seja, nós vamos entregar, até o final de dezembro de 2012, mais creches do que foi feito em 104 anos da cidade de Anápolis, embasados na ideia de se garantir que a criança esteja bem cuidada, em período integral, com a atenção de monitores e professores preparados, em ambientes adequados, com brinquedoteca e outros equipamentos. Então, hoje temos condições de dizer que na educação nós avançamos bastante e temos o ano de 2012 para consolidar esse setor juntamente com os professores. Anápolis paga hoje o melhor salário de professor do estado de Goiás, cumprindo o que determina a legislação desde o dia 1° de Janeiro de 2009 que é o respeito ao piso nacional do professor, só que em Anápolis pagamos hoje mais do que isso. Avançamos com o plano de cargos e salários e hoje damos condições para que o professor tenha uma carreira dentro do magistério, sentindo-se motivado para dar uma educação adequada para nossas crianças. No esporte, estamos implantando a bolsa atleta, um estimulo a mais e também estamos ampliando o programa “Esportes para Todos”, envolvendo mais de 14 mil jovens e crianças. Com a bolsa atleta poderemos fazer com que a criança tenha produtividade e destaque em cada modalidade praticada e ainda receba de R$ 200 a R$ 500, como estímulo, para não ficar à mercê das ruas e das drogas, tendo no esporte uma forma concreta de evitar tudo isso. Somos também parceiros de programas sociais de instituições como a Base Aérea, o AABB Comunidade e, através do programa Segundo Tempo, vamos envolver agora, junto com o Ministério do Esporte, aproximadamente 4.500 crianças, mantendo-as dentro da escola. Temos ações extremamente planejadas como no desenvolvimento social onde queremos qualificar mais 12 mil pessoas para o mercado de trabalho, oito mil junto com o CEPA e as demais em parcerias com o SENAI, o SENAC, ou seja, estamos ampliando essa base de formação da nossa juventude para ocupar as vagas de trabalho para o que estarão bem preparadas e pagas pela prefeitura. É uma oportunidade para que esses jovens venham e se qualifiquem pela prefeitura, ocupando essas vagas de trabalho no mercado da iniciativa privada. A qualificação da mão de obra é o grande desafio de todas as cidades e agora muito mais com a chegada dos estrangeiros. A diferença é que logo no início da nossa gestão conseguimos fazer com que o Instituto Federal de Goiás pudesse implantar uma unidade em Anápolis se tornando outro grande parceiro no desafio da formação gratuita e com qualidade do jovem que tem dificuldade de pagar uma faculdade e que tem no IFG um curso técnico, um curso profissionalizante para se preparar e ocupar vagas no Distrito Agroindustrial ou mesmo no comércio da cidade. Estamos dando condições para o jovem terminar o ensino fundamental ou o ensino médio, com qualificação e, inclusive, estimulando-o com uma bolsa para que complete sua formação, em alguns casos mesmo em idade adulta, para que ele possa ter estímulo e credibilidade e entenda que o curso que ele está fazendo lhe dará condição de aumentar sua renda familiar futuramente.

“Vamos entregar em 2012 mais creches do que foi feito em 104 anos da cidade de Anápolis”

A ajuda aos clubes profissionais de futebol será mantida?
Sim. Foi aprovada, no ano passado, uma lei municipal onde garantimos essa ajuda entendendo que o esporte profissional também faz parte da nossa cultura, faz parte do lazer de nossa gente, além de ser uma vitrine positiva na medida em que você tem um time em destaque. O orçamento vem também do programa Torcida Premiada que facilita a participação efetiva do torcedor contribuindo tanto com o Anápolis Futebol Clube, como com a Associação Atlética Anapolina.

O que poderia ser feito para impedir que as drogas continuem causando a morte de tantos jovens como vem ocorrendo no Brasil e também em Anápolis?
A prefeitura tem ações propositivas na área do esporte entendendo que se você tira o jovem da rua e o ocupa nos bairros com futebol, judô, natação, atletismo, ou seja, o ocupa na escola de tempo integral como fazemos hoje no Centro de Educação Unificado do Conjunto Habitacional Filostro Machado, um grande modelo para o Centro-Oeste, esse jovem estará integrado à sociedade. Aquela é uma escola que tem recebido frequentes visitas de pessoas de outras cidades, assim como também é a escola Dr. Anapolino de Faria que construímos no Bairro Calixtópolis, uma escola também em tempo integral, ou seja, na medida em que você faz a política propositiva, tirando do discurso a ideia de que é preciso um combate eficaz às drogas, os resultados fluem. O esporte é um dos meios de se praticar políticas públicas eficazes, a educação é outro pelo fato de que ao se integrar ao esporte ela faz com que a escola de tempo integral seja uma realidade. Além disso, há também a alimentação, a atenção de professores e monitores qualificados para estimular e, em muitos casos, recuperar a criança e o adolescente, seja na questão da tarefa, seja na dificuldade que eles têm no turno e no contra turno. São oito horas de atividades e de efetivo amparo àquela criança lá no bairro para garantir a ela a formação e a complementação necessárias ao estabelecimento de sua personalidade dentro da própria escola. A cultura, o esporte, a educação e a saúde precisam estar integradas para que os jovens não fiquem ociosos, nas ruas, mas sim na escola aprendendo e crescendo em todos os sentidos, acompanhados por fisioterapeutas, pelos médicos que as submetem, tão logo ali chegam, a uma bateria de exames para garantir-lhes uma formação segura e sadia, assim como é preciso também lhes garantir o emprego no futuro. É preciso dar-lhes a oportunidade de acreditar naquilo que estão vivendo e de nada adianta oferecer condições precárias, sem qualquer motivação, em escolas em más condições. Aqui acontece o contrário. Estamos reformando e ampliando escolas, melhorando as condições de trabalho dos professores e aperfeiçoando as condições de recepção com o oferecimento de cursos que dão condições a esses jovens de se prepararem bem para o mercado de trabalho. Essa credibilidade foi devolvida e o poder público, hoje em Anápolis, tem a capacidade de fazer com que essa força motriz seja uma realidade na expectativa de que o jovem, ao se qualificar, tenha uma vida melhor amanhã tendo uma profissão e ocupando uma vaga no crescente mercado de trabalho que Anápolis hoje oferece.

Que méritos teve a prefeitura de Anápolis e sua equipe para garantir a conquista de mais um Prêmio Chico Mendes?
O trabalho desenvolvido na área ambiental onde temos feito muito, mas entendo que essa é uma sequência, é um trabalho que vem sendo construído. Perdemos muito tempo apenas na ideia de que é importante preservar as nascentes e o poder público nunca tinha entrado com força nessa área no sentido de buscar o recurso e transformar o discurso em prática. Hoje nós temos o discurso, que é o discurso internacional, que é o discurso que está no Fórum Mundial que acontecerá em Porto Alegre neste mês de janeiro, o discurso da qualificação e da preocupação com relação ao meio ambiente, com o efeito estufa, com o aquecimento global e toda essa política que precisa ser desencadeada não só nos países, mas em cada município, em cada estado. Anápolis tem feito o dever de casa, que é envolver o poder público junto com as universidades e com as entidades que fazem um trabalho sério focado na preservação do meio ambiente, na preservação da água, das nascentes, na preocupação com o ar, com o lixo, com saneamento, quer dizer, as instituições responsáveis e compromissadas como é a revista Planeta Água que cumpre bem o seu papel. Então, eu vejo esse esforço que nós tivemos nesses anos anteriores e que se consolida agora no sentido da prefeitura estar dando uma contribuição também a todo esse processo, sendo uma parceira dessas instituições para que a gente possa dizer, daqui a uns 10 ou 15 anos: “Olha, conseguimos equilibrar e conseguimos preservar as nossas nascentes; conseguimos fazer com que os nossos parques ambientais fossem preservados e conseguimos novos parques para que sirvam de espaço para nossas crianças e conseguimos garantir à cidade uma característica de qualidade de vida em um ambiente saudável, com espaços públicos gratuitos para que as famílias possam ali desfrutar de bons momentos com seus filhos e netos”. Essa é a política que nós estamos desenvolvendo e que tem reconhecimento nacional com o Prêmio Chico Mendes, projetando Anápolis e suas propostas, ações e realizações para influenciar outras cidades a também fazerem o dever de casa. É a terceira vez que Anápolis recebe o Prêmio Chico Mendes, o que acaba sendo também muito estimulante para todos nós. O meio ambiente é agregador, é algo que todas as pessoas querem ver, querem colaborar, querem dar sugestões, que as pessoas lêem e aceitam e quando você as convida para um fórum, para uma discussão, para uma reunião, elas fazem questão de participar e isso é extremamente importante. O que nós precisamos é ter decisão política, termos projetos para aplicar bem o recurso. Quem ganha com isso é a cidade, é o cidadão, então, nós precisamos, cada vez, mais nos envolver em projetos que tem dado certo em nível nacional e buscarmos recursos para que a gente possa investir mais e mais na preservação do meio ambiente e na qualificação daquilo que nós temos em favor da população.

“O Conselho Municipal de Meio Ambiente será reativado para ampliar ainda mais as ações bem delineadas e já desenvolvidas neste setor

O Conselho Municipal de Meio  Ambiente, imprescindível para a definitiva consolidação da bem sucedida política ambiental estabelecida em Anápolis, será reativado?
Sim, essa é uma preocupação que nós tivemos desde o início. Temos um Fundo de Meio Ambiente, temos recursos e ações bem delineadas e vamos reativar o Conselho para ampliar tudo isso. Quando chegamos à prefeitura não existia a Secretaria de Meio Ambiente. Fizemos com que ela saísse do papel e as ações desenvolvidas e as premiações que temos recebido acontecem exatamente em função de termos montado uma estratégia e um planejamento para os quatro anos de governo. Agora, como você disse, nós precisamos dar novos passos e que esses passos tenham sequência, com planejamento, mesmo depois que deixarmos a prefeitura. Tenho plena convicção de que esses passos vão dar condições cada vez maiores para que Anápolis melhore ainda mais sua qualidade de vida e atraia as novas gerações para dar continuidade ao trabalho de preservação ambiental com uma visão muito mais ampla do que a da nossa geração.

Com a chegada do ano eleitoral chega também uma possível reforma administrativa?
No momento não. Qualquer possível mudança acontecerá naturalmente. Não temos dia nem hora marcados. A administração vai bem, avalio como exitosos esse três anos de trabalho que fizeram com que a auto-estima do povo brasileiro voltasse, com a população acreditando na cidade e sinto que a prefeitura precisa ser esse indutor de energia positiva para a sociedade fazer a sua parte. A prefeitura faz a sua parte, o empresário faz a dele, as entidades religiosas fazem a delas, ou seja, cada entidade, cada instituição tem sua parcela de contribuição na busca constante de uma cidade melhor e a prefeitura faz parte desse grupo. Então, entendemos que foram três anos de sucesso e queremos fechar o ano de 2012 com muito mais realizações e conquistas para os anapolinos. Se 2011 foi bom, que 2012 seja muito melhor. Não podemos mais perder tempo.

Qual a importância desses três anos reconhecidamente bem sucedidos para o seu futuro político, Antônio?
Tenho uma grande satisfação pela oportunidade que a população me deu de estar à frente do Poder Executivo. Eu que trabalhei e fui eleito por três vezes para a Câmara de Vereadores e que tive a oportunidade de colocar meu nome e ser aprovado com mais de 122 mil votos, uma proporção acima de 75% dos eleitores de Anápolis apostando no meu nome para que a gente fizesse uma administração que viesse de encontro aos anseios da comunidade, só tenho a agradecer. Ao mesmo tempo, percebo que essa é uma responsabilidade muito grande, pois uma expectativa foi criada e não poderia decepcionar quem acreditou em mim. Depois desses três anos de trabalho quero dizer a você que eu sou grato ao povo anapolino por ter me dado essa oportunidade e vejo que os próximos passos, obviamente, serão passos decisivos para todos nós. Estou convicto de que precisamos terminar bem essa gestão e cumprir bem tudo o que foi planejado porque esse era o grande desafio que a sociedade nos colocou, gerando uma grande expectativa. Entendo que na medida em que formos executando o que planejamos, iremos construindo condições decisivas para fecharmos 2012 com chave de ouro. Essa é a nossa meta.

Ver mais de Edição Dezembro de 2011 Nº: 94 - O segredo da expansão nacional da Babioli

Ver outras Edições

Copyright © 2015 - Todos os direitos reservados.

A Revista Planeta Água é uma publicação mensal da Versátil Consultoria em Direito e Comunicação Social

Rua Benjamin Constant, 2018 - Centro / Anápolis-GO

Telefones: (62) 3311-3489 / 3706-8000