Em pirenópolis: Recorde de público nas Cavalhadas marca a festa do Divino Espírito Santo
Matéria publicada em 04/06/2010, às 16:26:06

Ver mais de Edição Abril 2010 - Na juventude a esperança de salvação do planeta

Ver outras Edições

A Festa do Divino Espírito Santo de Pirenópolis, considerada uma das mais expressivas celebrações do Espírito Santo no país pelo grande número de rituais, personagens e componentes, como as Cavalhadas de mouros e cristãos e os Mascarados montados a cavalo é realizada anualmente desde 1819. Os rituais têm início na Páscoa e seguem até o domingo seguinte ao feriado de Corpus Christi. O clímax da Festa se dá no Domingo de Pentecostes ou do Divino, cinquenta dias após a Páscoa, com as Cavalhadas.

Cavalhadas de Pirenópolis

Origem
Anunciando a abertura das Cavalhadas pelas ruas da cidade, no sábado, bem como durante, no intervalo das encenações, os Mascarados, ou Curucucus, dão um ar brincalhão à festa fazendo algazarras com suas roupas extravagantes e máscaras enfeitadas, tanto a cavalo, também enfeitados, como a pé, numa manifestação de alegria e uma maneira de espantar os maus espíritos.
Os Mascarados estão presentes em todas as cavalhadas realizadas no Brasil, quanto à origem: acredita-se ser africana, porém, a máscara de boi é típica de Pirenópolis.

Recorde
A Festa do Divino chega ao seu final com As Cavalhadas, que têm início na manhã do domingo de Pentecostes, cinqüenta dias após a Páscoa, e vão até terça-feira à noite. Num autêntico quadro vivo, As Cavalhadas evocam batalhas medievais entre mouros e cristãos em uma complexa encenação equestre em honra do Imperador e do Espírito Santo:  de um lado, vestindo azul, o rei cristão, Carlos Magno e os 12 pares da França; do outro, o rei mouro, o Sultão da Mauritânia, com seu "exército de infiéis" trajando vermelho. As Cavalhadas chegam ao seu final quando cristãos e mouros, já batizados, rezam ao Divino e descarregam suas armas, encerrando o Império.

Neste ano, o recorde de público foi novamente batido e milhares de turistas de todas as partes do mundo participaram da tradicional Festa do Divino. Os organizadores do evento, orgulhosos pela missão cumprida, elogiaram o comportamento e a participação ativa de toda a população, bem como, destacaram a presença dos turistas como elemento imprescindível ao sucesso garantido de mais uma das mais tradicionais festas religiosas brasileiras.

Gastronomia
A gastronomia em Pirenópolis é bastante vasta e variada. Por se tratar de uma cidade turística, tem representantes da culinária local, regional e internacional. Considerada berço da cultura goiana, devido a ser uma das mais antigas cidades do estado, Pirenópolis possui uma culinária local representada pelos pratos típicos como o arroz com pequi, a pamonha, o empadão, a guariroba, a paçoca de pilão, as quitandas e os doces. Mas encontramos também em Pirenópolis a culinária mineira, a baiana, a carioca, a nordestina etc. e, na gastronomia internacional, temos a francesa, a italiana, a árabe, a portuguesa e outras.
É por estes motivos que Pirenópolis tornou-se um destino turístico gastronômico, cujo ponto forte é o Festival Gastronômico e Cultural que acontece todos os anos durante o mês de junho, de 24 a 27, já em sua sexta edição.

Ver mais de Edição Abril 2010 - Na juventude a esperança de salvação do planeta

Ver outras Edições

Copyright © 2015 - Todos os direitos reservados.

A Revista Planeta Água é uma publicação mensal da Versátil Consultoria em Direito e Comunicação Social

Rua Benjamin Constant, 2018 - Centro / Anápolis-GO

Telefones: (62) 3311-3489 / 3706-8000