A responsabilidade do homem e a natureza: A relação da humanidade com os meios naturais ditam o ritmo das catástrofes naturais que se repetem ano após ano.
Matéria publicada em 16/05/2010, às 14:18:42

Ver mais de Edição Março 2010 - Se cada um fizer a sua parte

Ver outras Edições

A insensatez dos seres humanos é a maior responsável pela multiplicação das chamadas catástrofes naturais, uma resposta direta da Terra aos que insistem em agredi-la, desrespeitá-la, maltratá-la.
A dor sentida pela Mãe Natureza rebate em nós na forma de terremotos, inundações, tempestades, tufões e furacões desenfreados, vitimando milhares de seres e ceifando vidas preciosas.

Nada disso acontece por acaso ou, como dizem alguns, naturalmente.
As intempéries e os terremotos sempre existiram, todos sabem disso, mas nunca de uma forma tão violenta, frequente e gigantesca como vem ocorrendo depois da chamada Revolução Industrial.

Em menos de 50 anos os seres humanos - que deveriam cuidar e zelar de sua única casa neste cosmo infinito - fizeram estragos no meio ambiente que não foram feitos em séculos da existência do homem.
A insaciável busca do lucro pelo lucro, o consumismo exacerbado e motivado pelos apelos da mídia, aliados ao sepultamento dos bons princípios, da moral e do respeito pela Mãe Natureza, pelo próximo e por si mesmos, colocam os seres humanos numa posição insustentável, num beco sem saída.

A  incidência com que vêm ocorrendo as respostas da Natureza, ora no México, no Chile, na China, ora em São Paulo, no Rio ou em Santa Catarina é assustadora e, ao mesmo, nos serve de alerta. A luz vermelha está acesa há tempos, porém, o homem insiste em não levá-la em conta.
Enganam-se os céticos que, por não acreditarem no desequilíbrio provocado pelos seres humanos na Natureza, acreditam que não estamos em perigo e que todo esse alarte não passa de exagero, de fantasia. Mas não são fantasia o degelo das calotas polares, as chuvas descontroladas, nem  as inundações, alagamentos e deslizamentos que matam e ferem pessoas.

A Bíblia mostra a grande preocupação de Deus com respeito à preservação do meio ambiente e dos animais ao  explicar que tudo o que Deus fez foi algo bom. Deus colocou Adão e Eva para cuidar do Jardim do Éden e cuidar dos animais e das plantas e do meio ambiente. Fora do Jardim o homem e a mulher deveriam sujeitar e dominar o ambiente que ainda não estava conquistado e perfeito. Vemos a grande preocupação de Deus em preservar a natureza para o próprio bem do homem.

No Antigo Testamento Deus preservou os animais do dilúvio, mandou fazer latrinas no deserto na época do Êxodo e o salmista ensina que Deus preserva os animais. Tudo o que Deus fez é bom e deixou ao homem para cuidar; se o homem destruir a Natureza receberá o castigo pela própria Natureza recebendo suas consequências.

O livro de Apocalipse explica que o homem receberá várias consequências de seus pecados contra o meio ambiente, em forma de grandes catástrofes, devido ao seu pecado contra a Natureza e, evidentemente, contra Deus. Pecar contra a Natureza é pecar contra Deus.

É preciso que os seres humanos se voltem mais para os ensinamentos do nosso Pai. Se o homem parasse de impermeabilizar todo o solo, não deixando espaço para a infiltração das águas das chuvas, não  haveria inundações. Se o homem não desmatasse, a floresta daria frutos e manteria o equilíbrio, preservando os ecossistemas e a biodiversidade.

Se o homem começasse a repensar seu comportamento, promovendo uma mudança radical nos hábitos que implicam em agressão ao meio ambiente, ainda haveria um rasgo de luz no fim do túnel. Do contrário, a inundaçao nos afogará dentro dele.


Dra. Maria da Glória Fernandes Coelho
Irmã Rita Cecília Coelho, OSF
Administradora Geral

Ver mais de Edição Março 2010 - Se cada um fizer a sua parte

Ver outras Edições

Copyright © 2015 - Todos os direitos reservados.

A Revista Planeta Água é uma publicação mensal da Versátil Consultoria em Direito e Comunicação Social

Rua Benjamin Constant, 2018 - Centro / Anápolis-GO

Telefones: (62) 3311-3489 / 3706-8000