Abandono descaracteriza Anápolis City : Área nobre de Anápolis sofre com más condições e falta de intraestrutura
Matéria publicada em 14/05/2010, às 22:42:33

Ver mais de Edição Março 2010 - Se cada um fizer a sua parte

Ver outras Edições

Amostra de um solo degradado, sem verde e sem vida
A vila militar foi tomada pelo matagal e não possui calçadas.

Em 2010, Ano Internacional da Biodiversidade, ainda convivemos com situações de abandono e isolamento como a dos moradores de um dos mais nobres setores da cidade: o Anápolis City.
Parte da malha viária do setor sofre com as enxurradas no período chuvoso e o resultado, agravado pelo relevo inclinado do terreno, é o surgimento de erosões e, em alguns casos, até mesmo de crateras que impedem o tráfego de veículos e pedestres.

Ruas sem asfalto são tomadas pelo mato que consigo traz insetos, ratos e mosquitos da dengue. A ausência do poder público soma-se à omissão do Ministério da Aeronáutica e ao comodismo de parte dos próprios moradores. O resultado é preocupante: solo degradado, sem verde e sem vida, em desrespeito às famílias que habitam em diversos pontos do setor, como as da Ala Norte da Vila Militar e comunidade vizinha, em contraste com o que acontece do outro lado da rua onde se percebe a existência de responsabilidade e consciência ambiental no majestoso bosque do City Park, situado na Avenida N-3, ainda sem asfalto e sem iluminação pública, apesar de ser uma via de alimentação do trânsito.

O bosque ocupa área de 38 mil metros quadrados, com mais de 500 árvores plantadas pela comunidade contrastando com erosões, lotes abandonados e abertos e a mal zelada Vila Militar, onde residem famílias de técnicos do Sivam, as mais prejudicadas pela degradação do solo da extensa área, sem arborização e sem vida.

A falta de calçadas no lado de fora seria compensada se a Aeronáutica atuasse em parceria com a prefeitura para a limpeza da “calçada” de aproximadamente 3 mil metros lineares que divide as etapas 1 e 2 do bairro.

Matagal, lixo e entulho nas cercanias da vila geram proliferação de insetos, insegurança e redobrada atenção das patrulhas de combate à dengue e outras doenças. Apesar da insatisfação dos moradores da vizinhança face as agressões ao meio ambiente no interior da vila e ao desrespeito ao Código de Postura do Município onde deveria haver calçada pública, o comando da Base Aérea nunca manifestou interesse em buscar soluções.

Moradores do Anápolis City observam que a recente troca de comando renova as esperanças quanto ao pedido de verbas ao Ministério da Aeronáutica. O presidente da Comissão de Construção da Base Aérea de Anápolis, Cel. Av. Peixoto, já defendia este investimento, em 1971, quando o município fez a doação da área de aproximadamente 400 mil metros quadrados para a construção do conjunto habitacional.

A Ala Sul da Vila Militar foi arborizada na época, mas a expansão da Ala Norte está degradada há 40 anos, desde que o cerrado natural foi desmatado. A busca de apoio e parceria com a administração municipal também seria uma saída para solucionar um problema que aflige centenas de famílias do Anápolis City.

Ver mais de Edição Março 2010 - Se cada um fizer a sua parte

Ver outras Edições

Copyright © 2015 - Todos os direitos reservados.

A Revista Planeta Água é uma publicação mensal da Versátil Consultoria em Direito e Comunicação Social

Rua Benjamin Constant, 2018 - Centro / Anápolis-GO

Telefones: (62) 3311-3489 / 3706-8000