Responsabilidade ambiental: O engenheiro José Olímpio mantém forte preocupação com preservação ambiental
Matéria publicada em 14/05/2010, às 14:43:23

Ver mais de Edição Março 2010 - Se cada um fizer a sua parte

Ver outras Edições

Assim como as raízes do juazeiro cortam a terra e desenham caminhos tortuosos José Olimpio Maia Neto deixou o sertão da Paraíba para, em Goiás, rasgar o chão e construir estradas.

Nascido em Brejo do Cruz (PB), o engenheiro José Olimpio chegou em Goiás no final dos anos 60 com a missão de construir a ligação do Norte com o Sul do Brasil, a BR-153 (Belém-Brasília) que veio com a promessa de desenvolvimento.

José Olimpio sempre pensou no crescimento aliado a sustentabilidade.
Em 1978 instalou os primeiro viveiros de mudas de árvores do cerrado para serem plantadas ao longo das rodovias de Goiás. A produção em cada um dos viveiros era de 70 mil mudas por ano até 1989 e hoje vemos os resultados dessa consciência ecológica.

Com o inicio da duplicação da BR-153, a preocupação foi a de preservar este trabalho ambiental. Todo o traçado da rodovia foi repensado, além disso, era necessário preservar as nascentes e combater as erosões.
O espírito ambientalista de José Olimpio não se resume às ações às margens das estradas. Em sua fazenda é grande a preocupação com a preservação ambiental.

As matas ciliares, o aumento da reserva legal e a proibição da caça e da pesca predatórias contribuem para uma produção com respeito ao meio ambiente e um estudo para geração de energia limpa através de biodigestor já está em fase adiantada.

Belém-Brasília
José Olímpio revela que o DNR e o DNIT sempre se preocuparam, antecipadamente, com a preservação ambiental. "Na época da Belém-Brasília a mata virgem era preservada ao longo dos lados da rodovia, isso ainda na década de 60, quando ainda não havia uma consciência ambiental arraizada como hoje. Durante dez anos, com viveiro, próprios, íamos plantando as árvores e até mudamos a diretriz da rodovia para que se preservasse minas d'água a exemplo do que estamos realizando hoje em Anápolis nas nascentes do Córrego do Felizardo, um trabalho caríssimo, de grandes proporções em que todas as minas foram preservadas".

Ver mais de Edição Março 2010 - Se cada um fizer a sua parte

Ver outras Edições

Copyright © 2015 - Todos os direitos reservados.

A Revista Planeta Água é uma publicação mensal da Versátil Consultoria em Direito e Comunicação Social

Rua Benjamin Constant, 2018 - Centro / Anápolis-GO

Telefones: (62) 3311-3489 / 3706-8000